Enrolação da Fenaban contamina a negociação da primeira mesa do Banrisul

Preste muita atenção no uso que os representantes nomeados pela diretoria para negociar pelo Banrisul fazem do verbo “pretender”. É o verbo que a diretoria do Banrisul conjuga e que levou para a primeira mesa de negociação na segunda-feira, 6/8, na sede da Fetrafi-RS, quando questionada reiteradamente se tinha proposta para apresentar e se garantia a renovação do acordo coletivo anterior enquanto o novo não era assinado. O verbo pretender é fundamental para entender as justificativas e às ausências reiteradas de respostas às perguntas dos colegas do Comando Nacional dos Banrisulenses. Para a insistência do Comando, diga-se. Pois esse verbo define o sentimento com a primeira primeira mesa: frustração. Além disso, podemos dizer que a mesa de negociação da Fenaban, cheia de enrolação, não só contaminou o primeiro encontro, como sinalizou à estratégia a ser adotada pelo Banrisul. Pretender esperar é o tema, mas aceita marcar nova mesa de negociação. Ela será  na sexta-feira, 10/8, a partir das 11h, na sede da ASBANCOS em Porto Alegre.

Nessa de que o Banrisul “não pretende retirar direitos”, “pretende preservar direitos” e “pretende esperar a Fenaban”, o Comando Nacional dos Banrisulenses decidiu fortalecer a agenda de mobilização. Antes de acompanhar a próxima reunião, na sexta-feira, 10/8, a partir das 11h, na Associação dos Bancos do RS (ASBANCOS), no Centro de Porto Alegre, os Banrisulenses estão convocados a participar da assembleia de avaliação da proposta da Fenaban, na quarta-feira, 8/8, às 18h, no auditório do SEEB, leia edital aqui. Lembrando que a assembleia também será o espaço de organizarmos e decidirmos participar do Dia do Basta, Dia Nacional de Luta convocado pelas Centrais Sindicais em defesa dos direitos dos trabalhadores na sexta-feira, 10/8.

Banrisulense, vamos pressionar por proposta decente

Calendário de mobilização dos Banrisulenses

Assembleia

Quarta-feira, 8/8: 18h: Banrisulense, venha participar da assembleia de avaliação da proposta da Fenaban, no auditório do SEEB, e decidir como será sua mobilização para acompanhar a segunda mesa de negociação com o banco.

2ª mesa de negociação

Sexta-feira, 10/8: 11h: No Dia do Basta, vamos acompanhar em vigília a segunda mesa entre o Comando Nacional dos Banrisulenses e os representantes nomeados pela direção do Banrisul.

ASBANCOS (Associação dos Bancos do RS) – Rua dos Andradas, 1.234 – 17º andar – Centro Histórico de Porto Alegre

O secretário de comunicação do SEEB Floripa e funcionário do Banrisul, Cleberson Pacheco Eichholz, salienta a importância da participação neste momento. Primeiro na assembleia, a partir das 18h, no auditório do SEEB, depois nas mobilizações que forem aprovadas pela categoria na mesma. “Neste momento de negociações acirradas e sem sinalização de avanços, tanto nas rodadas com bancos públicos como com a Fenaban. Os bancários precisam dar uma resposta e mostrar que tem disponibilidade de partir para o enfrementamento caso seja necessário. Para isso é fundamental a presença massiva na assembleia desta quarta-feira.”

Cautela e serenidade

É preciso conhecer o contexto político para entender as evasivas da diretoria do Banrisul na voz do porta-voz nomeado pela diretoria, o Superintendente Executivo da Unidade de Gestão de Pessoas, Gaspar Saikoski. Ele evocou o momento do país, a importância de manter o Banrisul público ante um dono (o Estado) com sérias dificuldades financeiras e aquilo que os representantes dos trabalhadores vêm discutindo e alertando. É preciso que os acordos sejam detalhados e detalhistas nas vírgulas para que não haja ambiguidades, sendo este o legado tenebroso da reforma trabalhista, da Lei 13.467.

Traduzindo a “pretensão” da diretoria

Vamos procurar entender a conversa do Banrisul no contexto da reforma trabalhista. Ora, os banqueiros, se não escreveram, seguraram a mão de quem escreveu a reforma trabalhista. Natural que queiram segurar uma decisão sobre a aplicação da ultratividade, quer dizer, renovar o acordo anterior enquanto um novo não é celebrado. O teto é 31 de agosto, porque dia 1º de setembro, data-base dos bancários, o Acordo Coletivo Nacional e os específicos deixarão de valer. Nesse sentido, o Banrisul faz o mesmo que a Fenaban: enrola na mesa até para estabelecer data, horário e local da segunda mesa de negociação. Quer ganhar tempo numa Campanha Nacional 2018 que começou mais cedo e o Banrisul foi o último dos bancos a abrir negociação.

mesa1_web-1-768x510

O diretor da Fetarfi-RS, Carlos Augusto Rocha, procurou deixar claro o objetivo dos trabalhadores diante do discurso do banco. “Temos que deixar claro aqui que o nosso trabalho é um instrumento importante de fortalecimento da economia. No caso do Banrisul, um instrumento de manutenção do caráter público do Banrisul. Não queremos entregar o pouco que temos. Este banco está de pé por força da nossa luta”, pontuou Rocha. “Não estamos pedindo a renovação do acordo. Estamos pedindo que um acordo seja mantido enquanto outro não é assinado”, acrescentou Rocha, referindo-se à ultratividade.

Questão de legado e de sustentabilidade

Acompanhe o raciocínio com base no recente histórico da atual diretoria do banco e a suposta ausência de um legado. Faltaria mesmo um legado, se aquilo que a diretoria prometeu, não cumpriu como foi o caso da migração da Fundação Banrisul de Seguridade Social (FBSS)? Realizou PDVs, vendeu ações do banco e nem acenar com plano de carreira ou mesmo garantir a ultratividade parece haver disposição. “Está na hora de essa administração deixar algum legado. Internamente não deixa nenhum legado. Ou o legado será vender ações do banco? Ninguém é dono de capital aqui. Estamos falando de pessoas assalariadas”, asseverou o diretor da Fetarfi-RS e funcionário do Banrisul, Fabio Alves.

A diretora da Fetrafi-RS e também funcionária do Banrisul, Denise Falkenberg Corrêa, demonstrou que atender as reivindicações dos Banrisulenses numa jornada de sucessivos resultados positivos e recorde de lucro no ano passado é uma questão de sustentabilidade. O acordo, a sua renovação, é fundamental para manter o Banrisul público e fortalecido. “O legado é renovar o acordo. É bom para nós e bom para o banco”, disse Denise.

Por uma resposta decente

Vamos colocar as coisas em seus devidos lugares. Cumprir a Fenaban é uma obrigação de todos os bancos. Parece óbvio, né? Não para a diretoria do Banrisul. Portanto, esperar a Fenaban não é nenhum vantagem ou conquista dos trabalhadores Banrisulenses. Essas conquistas só virão com participação e mobilização. A disputa aqui é entre discursos: o banco acha que está dando vantagens com uma reforma trabalhista que ajudou a escrever. E nós, Banrisulenses, lutamos por trabalho decente.

O alerta é feito pelo assessor jurídico da Fetrafi-RS, o advogado Milton Fagundes. A primeira mesa do Banrisul é preciso dizer claramente traz a luta de trabalhadores que buscam avanços e a diretoria que não quer avançar. Neste acaso, nem mesmo renovar a convenção anterior teve sinalização. “O banco coloca como se cumprir a Fenaban fosse uma vantagem. Isso é uma obrigação do Banrisul. O que acontece é que algumas cláusulas não são cumpridas e são avanços nos bancos públicos”, reafirmou.

 

Sindbancarios com edição do SEEB Floripa

COMENTÁRIOS

Enviar

ENVIAR COMENTÁRIO

Para enviar um comentário você deve se registrar. Para isso use sua conta do Facebook.

ENTRAR COM FACEBOOK

ou se preferir use seu email pessoal

Esqueceu sua senha?

Enviar