Lucro do Bradesco ultrapassa R$ 10 bilhões no 1º semestre

Resultado representa crescimento de 9,7% com relação ao primeiro semestre de 2017; receita com tarifas cresce acima da inflação

O Bradesco teve lucro líquido Recorrente de R$ 10,263 bilhões, no 1º semestre de 2018, com crescimento de 9,7%, em relação ao mesmo período de 2017 e de 1,2% no trimestre. A rentabilidade (retorno sobre o Patrimônio Líquido médio anualizado – ROE) alcançou 18,5%, com aumento de 0,3 pontos percentuais em doze meses. Segundo o banco, o resultado do período foi impulsionado pela performance das receitas de prestação de serviços, pelo resultado das operações com seguros, previdência e capitalização e pela redução nas despesas com Provisões para Devedores Duvidosos (PDD), segundo análise do Departamento Intersindical de Estatística e Estudo Sociais (Dieese).

“A arrecadação com a prestação de serviços e tarifas bancárias cresceu mais do que a inflação. Mas, as despesas com pessoal, mesmo contanto os acertos de conta com o grande número de funcionários demitidos no período, reduziram. Isso mostra que os clientes estão sendo triplamente explorados. Tem o atendimento precário devido à falta de funcionários, precisam eles mesmos realizar serviços antes realizados por bancários e ainda têm que pagar taxas com valores reajustados acima da inflação”, observou diretora executiva da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) e coordenadora da Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Bradesco, Magaly Fagundes.

A receita com prestação de serviços e tarifas bancárias cresceu 6,1% em doze meses, totalizando R$ 12,4 bilhões. Já as despesas de pessoal caíram 0,8%, totalizando R$ 9,3 bilhões. O valor arrecadado com prestação de serviços e tarifas é 32,4% maior do que o total das despesas com pessoal.

> Relembre os resultados do 1º trimestre

Emprego bancário
holding encerrou o 1º trimestre de 2018 com 97.683 empregados. Uma expressiva redução de 7.460 postos de trabalho em doze meses. O número também reflete os resultados do Plano de Desligamento Voluntário Especial (PDVE), divulgado em julho de 2017 e que, de acordo com o banco, teve 7,4 mil adesões. No período, ainda, foram fechadas 368 agências e 18 postos de atendimento (PA).

“Isso significa que o banco reduziu 7,1% o número de funcionários. É péssimo para quem perde o emprego, mas também não é nada bom para quem fica. O número de clientes atendidos por empregado subiu 13,3%. As demissões geram sobrecarga de trabalho e o consequente adoecimento dos trabalhadores que permanecem no banco”, criticou a dirigente.

Magaly explicou que essas são algumas das questões que estão sendo tratadas na mesa de negociações com a Federação nacional dos Bancos (Fenaban). “Queremos que os bancos apresentem soluções para reduzir o índice de adoecimento da categoria, que é um dos maiores entre toda a classe trabalhadora. Isso passa pelo encerramento das demissões e também por mais contratações”, disse.

Veja a íntegra da análise do Dieese.

Fonte: Contraf-CUT

COMENTÁRIOS

Enviar

ENVIAR COMENTÁRIO

Para enviar um comentário você deve se registrar. Para isso use sua conta do Facebook.

ENTRAR COM FACEBOOK

ou se preferir use seu email pessoal

Esqueceu sua senha?

Enviar