Bancários do BB analisam conjuntura nacional e os impactos da nova legislação

Previdência Complementar também foi discutida

O primeiro painel do 29º Congresso Nacional dos Funcionários do Banco do Brasil norteou as discussões, realizadas na tarde desta quinta-feira (7), com a análise da conjuntura nacional e dos ataques aos bancários e bancos públicos.

O presidente da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae), Jair Pedro Ferreira, explicou que os bancos públicos são importantes para o desenvolvimento do país e que as empresas carecem de financiamento a longo prazo. “O papel do estado é permitir o financiamento e as oportunidades, o que não acontecerá caso os bancos sejam privatizados. Só é possível criar oportunidades se houver empresas públicas e bancos públicos. Precisamos fortalecer o BB e todos os bancos públicos.”

De acordo com Jair, é preciso fazer um debate com o legislativo e a sociedade para discutir o tipo de congresso que o povo brasileiro quer. “A mobilização é importante, precisamos respeitar as pessoas e as diversidades e um estado que acolha o cidadão e tenha perspectiva de futuro. Não podemos deixar o Banco do Brasil só para o correntismo.”

No segundo painel, a economista do Dieese, Vivian Machado, apresentou uma pesquisa sobre o mundo do trabalho e a representação trabalhista. “Com o avanço da tecnologia, podemos observar que ela destrói mais do que cria. Ela reduz custos e gera menos empregos”, afirmou.

Ela citou o modelo Gig Economy, conhecido nos Estados Unidos, que está se sobressaindo no mundo do trabalho. Com o sistema, os trabalhadores não têm vinculo empregatício, como no regime intermitente, e não tem benefícios. “É um modelo crescente, sem garantias e sem perspectivas”, finalizou.

 

Previdência Complementar

O 29º CNFBB promoveu também o debate sobre a Previdência Complementar e sobre a tentativa de aprovação do Projeto de lei nº 268, que visa terceirizar a gestão dos fundos de pensão. “Precisamos entender o que está por trás na tentativa de golpe da Previ. Dentro desse discurso neoliberal está pautada a ideia de que nos trabalhadores não podemos gerir nossos próprios negócios”, disse Paula Gotto, diretora de Planejamento da Previ.

Marcio Souza, diretor de Administração da Previ, exaltou a defesa da governança paritária e do comprometimento com a gestão.  “Não aceitaremos que a representação dos associados seja quebrada. Vamos lutar até as últimas consequências e para isso é fundamental a nossa mobilização para defender a nossa conquista. Defendemos a governança paritária e que a gestão seja correta de cada centavo que está aplicado na nossa entidade”, afirmou.

 

Saúde e Condições de Trabalho

O diretor de Planos de Saúde e Relacionamento com clientes da Cassi, Humberto Santos Almeida, desmentiu o governo que insiste em afirmar que a Cassi é ineficiente. “A Cassi gasta 8% de orçamento enquanto o mercado gasta 12%. Além disso, é um plano coletivo, que atende todos os estados, oferece programas assistenciais e uma auto-gestão que não visa fins lucrativos”, explicou.

Para ele, as dificuldades pela qual os trabalhadores vêm passando se deve à irresponsabilidade do governo com a sociedade. “Estamos sob a tutela de um governo que, além de reduzir os funcionários, faz com que os brasileiros não tenham assistência.  O banco tem se aproveitado nos últimos tempos em ampliar o seu assédio moral. A meta é fazer com que as pessoas sejam obrigadas a aceitar as propostas do banco”, disse.

 

Fonte: Contraf-CUT

COMENTÁRIOS

Enviar

ENVIAR COMENTÁRIO

Para enviar um comentário você deve se registrar. Para isso use sua conta do Facebook.

ENTRAR COM FACEBOOK

ou se preferir use seu email pessoal

Esqueceu sua senha?

Enviar