Contraf-CUT é contra aumento da coparticipação na Cassi

Diretoria decidiu aumentar a coparticipação dos associados sobre consultas e exames; decisão precisa ser referendada pelo Conselho Deliberativo

A diretoria da Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil (Cassi) aprovou no início de junho novo aumento na coparticipação sobre consultas e exames. Em janeiro, a coparticipação já havia sofrido reajuste de 30% para 40% nas consultas médicas e sessões de psicoterapia e de 10% para 20% nos serviços complementares.

A Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) enviou um ofício ao Conselho Deliberativo da Cassi demonstrando sua contrariedade da decisão da diretoria e pedindo para que os conselheiros, tanto os eleitos quanto os indicados, votem contra o aumento que prejudica os associados.

“Circula entre os associados que o novo aumento será de 40% para 50% nas consultas e de 20% para 30% nas exames. Além disso, o teto de 1/24 do salário mensal seria alterado para se cobrar o estoque todos os meses. Isso deturpa o histórico de cobrança e penaliza ainda mais os associados”, criticou o coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB), Wagner Nascimento, que representa a Contraf-CUT, na mesa de negociações com o banco e com a Cassi.

Caráter moderador da coparticipação

Em seu site, a Cassi afirma que, no Plano de Associados, a coparticipação de 10% em diagnoses e terapias não-vinculadas à internação foi instituída como fator moderador na utilização de eventos médicos e hospitalares.

“Os aumentos que a diretoria quer estipular desvirtuam o caráter moderador, transforma-o em fator punitivo, prejudica os associados e agrava a quebra da solidariedade. Por essa razão, defendemos o fim gradativo da coparticipação, não o aumento”, argumentou o coordenador da CEBB. “A cobertura do déficit registrado nos últimos períodos e sustentabilidade da Cassi não se dará por meio da coparticipação! A solução precisa ser negociada”, completou.

Wagner explicou que a Contraf-CUT é contra o aumento porque a conta de parte do déficit da Cassi é jogada nas costas dos associados. Além da redução gradativa da coparticipação, a Contraf-CUT defende isenção para todos os participantes do Programa Estratégia Saúde da Família, como forma de incentivo à integração nos programas de prevenção que a Cassi desenvolve. “A saúde preventiva contribui para a redução de custos e precisa ser incentivada”, disse.

Reabertura de negociações

A proposta de alteração no custeio e governança da Cassi não foi aprovada pelos associados. No dia seguinte ao resultado, a Contraf-CUT enviou um ofício ao Banco do Brasil solicitando reabertura das negociações da Mesa da Cassi. Quase dois meses após o envio do ofício, o BB ainda não respondeu à solicitação da Contraf-CUT.

Fonte: Contraf-CUT / Paulo Flores

COMENTÁRIOS

Enviar

ENVIAR COMENTÁRIO

Para enviar um comentário você deve se registrar. Para isso use sua conta do Facebook.

ENTRAR COM FACEBOOK

ou se preferir use seu email pessoal

Esqueceu sua senha?

Enviar