Cinco sinais de que querem acabar com o direito do participante da Funcef

Fenae lista medidas que ameaçam diretamente a Funcef e seus participantes.

Que os direitos dos trabalhadores no Brasil estão ficando cada vez mais escassos não é novidade para ninguém. Mas se alguém ainda não tem clareza sobre o tema, a Fenae vai dar uma ajuda. Listamos cinco, apenas cinco, sinais de medidas que ameaçam diretamente a Funcef e seus participantes:

1) Instrução Normativa nº 15
A Instrução Normativa nº 15, publicada pela Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc), fere a Constituição, remodela a função do órgão e desenha um caminho de perda de autonomia e direitos para os participantes das Entidades Fechadas de Previdência Complementar (EFPC).
A IN 15 deu à Previc o direito de interferir na legislação dos fundos de pensão, rompendo a autonomia das entidades e colocando em sério perigo os direitos adquiridos pelos trabalhadores.
2) Processo eleitoral da Funcef
Nem ao definir as regras para eleger a sua diretoria, a Funcef respeita os direitos dos participantes. Os princípios básicos da democracia foram totalmente feridos ao infringir o Estatuto da fundação, a composição da Comissão Eleitoral, a forma de inscrição de chapas e o mecanismo de votação.
O pleno acesso dos participantes nas eleições também foi prejudicado com a demora em definir as regras do certame, com a publicação do edital às vésperas do início das inscrições e apenas 60 dias antes do período de votação, dificultando assim a difusão das propostas das chapas, bem como os debates sobre elas, justamente quando a Funcef está fragilizada e os participantes com dúvidas sobre o futuro do fundo de pensão.
3) Quebra da paridade
A Funcef efetivou a quebra da paridade no equacionamento do REG/Replan Não Saldado. De uma vez só, divulgou os planos que irão equacionar os deficits de 2015 e 2016. Ambos estão programados para começar em março e se estenderão pelos próximos 20 anos. Diante do desrespeito aos direitos dos participantes, a Fenae ingressará com ação coletiva na Justiça.
A quebra da paridade está prevista no Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) que os diretores indicados e todos os diretores eleitos assinaram junto à Previc em junho de 2017, admitindo um “erro” a ser corrigido.
4) Aumento do contencioso
Problema crônico na Funcef, o contencioso judicial, dívida trabalhista que deveria ser integralmente paga pela Caixa, vêm, ano a ano, lesando o patrimônio e fazendo com que os participantes tenham que pagar equacionamento.
5) Redução da meta atuarial
Em prol de uma opção conservadora e mais confortável para si, os dirigentes da Fundação mitigaram seu compromisso com resultados e puniram os participantes, que terão seus benefícios reduzidos, ao implementarem uma meta atuarial de 5,5% para 4,5%.
Mais R$ 6,6 bilhões em reservas precisarão ser compensados e esses recursos, de alguma forma, sairão dos participantes. Essa compensação pode ser diluída ao longo do tempo, o que disfarça a necessidade de recursos na hipótese de rentabilidade inferior à meta.
Fonte: Fenae

COMENTÁRIOS

Enviar

ENVIAR COMENTÁRIO

Para enviar um comentário você deve se registrar. Para isso use sua conta do Facebook.

ENTRAR COM FACEBOOK

ou se preferir use seu email pessoal

Esqueceu sua senha?

Enviar