“Investigações devem prosseguir, mas é preciso atenção ao jogo político”

Para a representante dos empregados no Conselho de Administração do banco, Rita Serrano, interesses privatistas e disputas internas enfraquecem a instituição

Em nota sobre o afastamento de quatro vice-presidentes da Caixa, investigados em operações da Polícia Federal, a representante dos empregados no Conselho de Administração, Rita Serrano, enfatizou que as investigações devem prosseguir, mas que é preciso atenção ao jogo político. Para ela, interesses privatistas e disputas internas enfraquecem o banco.

Rita enfatiza ainda que causa surpresa que uma investigação interna, ainda não concluída, tenha sido divulgada por meio da imprensa. Para ela, a mídia comercial tenta desqualificar o banco público e seus empregados.

Leia abaixo a íntegra da nota divulgada por Rita Serrano:

Investigações na Caixa devem prosseguir, mas é preciso estar atento ao jogo político

Interesses privatistas e disputas internas do governo tentam enfraquecer o banco

O afastamento de quatro vice-presidentes da Caixa por quinze dias, determinado nesta terça, 16, pelo presidente Temer, faz parte de uma investigação que estava em andamento no banco e transcorria em nível interno, acompanhada pelos 7 membros do Conselho de Administração (a maioria indicada pelo Ministério da Fazenda). A primeira surpresa nesse processo, portanto, é a divulgação, pela imprensa, de uma investigação que ainda não estava concluída.

A avaliação é da representante dos empregados da Caixa no Conselho de Administração, Rita Serrano (que está em licença médica após cirurgia). Ela reitera o apoio às investigações, mas ressalva que é preciso entender a disputa que ocorre entre representantes dos ministérios e do banco. “Nossa posição óbvia é de que a investigação prossiga e puna os culpados, se assim for comprovado. Porém é preciso ficar atento e entender que há hoje uma disputa interna no banco, entre a diretoria e membros do governo, e essa disputa transparece em momentos como esse”, esclarece.

Além de gerar especulações, como a chantagem do ministro Carlos Marun (Secretaria de Governo) na suposta liberação de crédito da Caixa para os governadores, a disputa favorece o sistema financeiro privado ao criar dúvidas sobre a governabilidade e integralidade do banco. A falta de capitalização da Caixa, as iniciativas para que se tornasse S/A e outras que enfraquecem a empresa pública estão na pauta privatista do governo. 

A conselheira destaca ainda o papel da mídia comercial, que tenta desqualificar o banco público e seus empregados. “Todas as notícias veiculadas por essa mídia no último período tentam colocar dúvidas sobre a manutenção do banco público. Isso não é aleatório, faz parte de uma estratégia de esfacelamento do patrimônio público”, afirma, lembrando que a Caixa tem 157 anos, quase 90 mil empregados concursados com alto nível de formação e já passou por diversos governos e instabilidades. “O banco tem condições de sobreviver e manter íntegro seu papel de fomentador do desenvolvimento, mas a cada dia fica mais evidente que isso só será possível em um governo eleito e legitimo”, aponta.

 

Fonte SEEB/SP

Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

COMENTÁRIOS

Enviar

ENVIAR COMENTÁRIO

Para enviar um comentário você deve se registrar. Para isso use sua conta do Facebook.

ENTRAR COM FACEBOOK

ou se preferir use seu email pessoal

Esqueceu sua senha?

Enviar