Momento é de resistência! Alerta ecoa na abertura do 34º Conecef, em São Paulo

A unidade do movimento sindical e associativo dos empregados da Caixa também foi destacada. Saúde Caixa e Funcef foram os principais temas debatidos durante a manhã

Foi aberto na última quinta-feira (7), em São Paulo, o 34º Congresso Nacional dos Empregados da Caixa Econômica Federal (Conecef), que reúne cerca de 400 trabalhadores do banco de todo o país, entre delegados, observadores e convidados. Logo no início do evento, lideranças sindicais e do movimento associativo ressaltaram a importância de intensificar a mobilização em defesa da Caixa 100% pública e contra a retirada de direitos. Os dirigentes lembraram que o momento é de resistência aos ataques contra a empresa e seus trabalhadores.

“O processo eleitoral vai ditar o futuro da Caixa e das demais estatais. Todos nós empregados e aposentados precisamos estar mobilizados afim de evitar que a Caixa seja desmontada. Os ataques vêm se intensificando e precisamos estar preparados para resistir”, destacou o presidente da Fenae, Jair Pedro Ferreira.

A unidade do movimento sindical e associativo foi outro ponto destacado durante a abertura da Conecef. O próprio slogan do Congresso traduz esse sentimento: “Juntos somos mais”.

“Precisamos atuar com unidade e mobilizados para defender nossos direitos e a manutenção da Caixa 100% pública”, enfatizou Fabiana Uehara, representante da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT).

Os debates do 34º Conecef, que prosseguem até sexta-feira (8), serão marcados pelos seguintes eixos: Nenhum Direito a Menos, Caixa 100% pública, Saúde Caixa e Funcef, Saúde e Condições de Trabalho.

“São mais de 30 anos de muita luta e sairemos desse 34 congresso com uma pauta de reivindicações específicas que traduza as necessidades dos trabalhadores da Caixa, por melhoria das condições de trabalho e contra o desmonte do banco”, resumiu o coordenador da Comissão Executiva dos Empregados da Caixa (CEE/Caixa), Dionísio Reis.

Nenhum direito a menos

O primeiro painel do Conecef girou em torno das consequências desastrosas para os trabalhadores das reformas previdenciária e trabalhista. Carlos Gabas, ex-ministro da Previdência nos governos Lula e Dilma, disse que a proposta do governo Temer não é uma reforma, mas um desmonte da Previdência Social. Dentre os pontos negativos do projeto, que tramita no Congresso Nacional, estão a retirada dos direitos das mulheres, dos trabalhadores rurais e o fim da aposentadoria especial.

“Até agora a sociedade brasileira, com a mobilização dos trabalhadores, resistiu ao desmonte da Previdência, mas o governo depois das eleições vai colocar o projeto novamente em votação, o Temer já disse isso”, alertou Gabas. Segundo ele, a Previdência não é deficitária conforme alega o governo. Aponta ainda que despesa previdenciária se mantem estável há mais de uma década e que até 2015 a previdência mantinha superávit na despesa urbana. “A receita caiu absurdamente depois de 2015 devido ao desemprego e a crise econômica aprofundada pelos golpistas”, acrescentou o ex-ministro.

A necessidade de mobilização contra as reformas do governo também foi destacada pelo advogado José Eymard Loguércio, que integra a Assessoria Jurídica da Fenae.  Ele falou sobre os impactos da nova lei trabalhista. “Quando se destrói direitos sociais, está se acabando com a cidadania”, frisou Eymard. Segundo o advogado, os trabalhadores não podem esperar que o Judiciário revise a legislação aprovada em tempo recorde pelo Congresso Nacional, porque isto dificilmente acontecerá.

A reação contra a reforma trabalhista, que teve como principal objetivo retirar direitos e desestruturar a organização dos trabalhadores através dos sindicatos, deve vir da sociedade, apontou Eymard. O advogado revelou que já existem ações na Justiça questionando vários pontos da lei como o fim da obrigatoriedade da contribuição sindical, trabalho intermitente, o acesso à Justiça, entre outros.

Saúde Caixa

Albucacis de Castro, médico e assessor do GT Saúde Caixa, fez uma explanação sobre o histórico e a importância do plano de saúde dos empregados da Caixa. “É importante os trabalhadores defenderem o Saúde Caixa e buscarem melhorá-lo”, afirmou. Ele lembrou que o Saúde Caixa acumulou superávit que em 2016 chegava a R$ 670 milhões. E que os dados referentes ao ano passado ainda não foram divulgados pelo banco.

Um Manifesto em Defesa do Saúde Caixa foi distribuído com os participantes do 34º Conecef. Durante o debate, um ato na plenária marcou o reforço do lançamento da campanha nacional “SaúdeCaixa: eu defendo”, lançada pela Fenae, Contraf-CUT, Fenacef, Fenag, Advocef, Aneac e Social Caixa.

Fonte: Rede Nacional dos Bancários

 

COMENTÁRIOS

Enviar

ENVIAR COMENTÁRIO

Para enviar um comentário você deve se registrar. Para isso use sua conta do Facebook.

ENTRAR COM FACEBOOK

ou se preferir use seu email pessoal

Esqueceu sua senha?

Enviar