O que está acontecendo com a Caixa?

Para uma pergunta, várias respostas. Tudo depende quais são as fontes de informação e como esses dados chegam ao seu conhecimento.

Diariamente a mídia hegemônica dispara manchetes que visam induzir a opinião pública ao raciocínio de que a Caixa é ineficaz.

O objetivo é enfraquecer a importância do banco público no cenário nacional como principal financiador do desenvolvimento do país e de infraestrutura para a população e, mais, do seu impacto no mercado financeiro.

O Valor Econômico, por exemplo, publicação voltada ao setor financeiro, destacou nas últimas semanas as seguintes manchetes: “Sem capital, Caixa foca habitação popular”; “Instituição prorroga regra para financiar usados”; “TCU quer cobrar R$ 39 bi de Caixa, BB, Basa e Banco do Nordeste”; “Caixa fica fora de proposta de capitalização em Orçamento” e “Banco fica atrás de rivais em ajuste de índice de solvência”.

Os conteúdos trazem diversas informações, mas nas entrelinhas tentam demonstrar algo que não existe: que o banco é frágil, instável, que não há recursos e que a empresa pública serve apenas como balcão de negócios para políticos corruptos.

A verdade é que o olho gordo dos banqueiros está crescendo cada dia mais na apetitosa carteira de operações de créditos e investimentos da Caixa. Além daqueles serviços exclusivos do banco público (Fundo de Garantia, loterias, etc).

A Caixa cresceu muito com políticas de estado adotadas especialmente na crise econômica de 2008. Com isso, ganhou mercado e novos clientes oferecendo melhores condições de crédito e menores juros.

No caso dos bancos privados, desde os anos 1990, a prática para o crescimento é a de incorporar carteira de outros bancos. Por isso que o país tem hoje três bancos privados: Itaú, Bradesco e Santander. O Itaú incorporou o Unibanco, o Bradesco integrou o HSBC ao seu grupo e o Santander, o Banco Real e por aí vai…

Chegaram ao limite. Com isso, os banqueiros passaram a mirar a Caixa.

O banco público apresenta números muito atraentes e a lógica dos banqueiros é a de acumular ainda mais dinheiro nos seus bolsos e de seus acionistas. Na mais perversa política do “nada para o povo, tudo para poucos”.

O crescimento da Caixa nos últimos anos demonstra que o banco público tem estabilidade, clientes e mercado, até mesmo em produtos que não são considerados seu forte.

Em depósitos à vista a Caixa passou a operar em 20,84% do mercado em 2016, sendo que em 2008 representava 10%. Em Certificado de Depósito Bancário (CDB) alcançou 27,04% do mercado, que em 2008 era de apenas 3,53%. Em Letra Hipotecária (LH) e Letra de Crédito Imobiliário (LCI), em 2016, alcançou 50,09% do mercado e em 2015 tinha alcançado 54,53%.

Os números impressionam. A Caixa é um cifrão bilionário para os sedentos banqueiros.

E é exatamente isso que está acontecendo com a Caixa, ela é a bola da vez e todas as ferramentas para sua privatização serão utilizadas. Infeliz daquele que não compreender esse momento e a política cruel que está em curso, e não defender a Caixa 100% pública.

COMENTÁRIOS

Enviar

ENVIAR COMENTÁRIO

Para enviar um comentário você deve se registrar. Para isso use sua conta do Facebook.

ENTRAR COM FACEBOOK

ou se preferir use seu email pessoal

Esqueceu sua senha?

Enviar