Seminário apresenta mitos e verdades sobre a privatização

Evento realizado em Brasília também contará com análises política e jurídica sobre o tema; propostas e estratégias ganham espaço no período da tarde

Na abertura do primeiro encontro das entidades que defendem a manutenção das estatais como patrimônio do povo brasileiro e os direitos de seus trabalhadores após a eleição presidencial no País, que acontece nesta quarta-feira (6), no Hotel San marco, em Brasília (DF), a coordenadora do Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas, Maria Rita Serrano, fez um breve relato das ações desenvolvidas desde que o fórum foi criado, há pouco mais de três anos. Entre essas ações, uma grande campanha que agora será relançada, a criação de comitês estaduais pelo Brasil, lançamento de livros e centenas de debates para esclarecer as péssimas consequências da privatização para trabalhadores e sociedade.

O seminário reúne dezenas de representantes de categorias e entidades de trabalhadores em empresas públicas. Bancários, petroleiros, funcionários da Embrapa, Conab, Correios, serviços hospitalares, advogados, aeroportuários, moedeiros são alguns entre eles, além de conselheiros nessas instituições. Centrais sindicais e a Federação Nacional das Associações dos Empregados (Fenae) da Caixa Econômica Federal, parceira do comitê, integram os debates. “Estamos numa corrida, uma verdadeira maratona para impedir que o patrimônio do povo brasileiro, conquistado com tanta luta e determinação, seja destruído”, afirmou o presidente da Fenae, Jair Ferreira.

A programação da manhã trará ainda debates com foco nos questionamentos jurídicos e políticos para elaboração de estratégias contra a privatização. As palestras terão como temáticas Mitos e verdades sobre privatizações, por Felipe Freire (subseção Dieese); Os desafios do Congresso e a nova estrutura do Poder Executivo, por Neuriberg Dias (Diap) e Avaliação do cenário no âmbito jurídico legal, com o advogado Luiz Alberto dos Santos, consultor do comitê.

“Há atividades em que o risco é enorme, e o setor privado quer negócios de curto prazo e alto lucro. Qual empresa privada aportaria recursos no pré-sal?”, questionou Freire durante sua exposição, derrubando o mito de que as empresas públicas devem atuar apenas nos mercados onde o setor privado não tem interesse.

A abertura do seminário também foi marcada por um minuto de silêncio pelas vítimas da Vale em Brumadinho (MG), no maior acidente de trabalho ocorrido até hoje no Brasil e que tem entre suas causas a ganância desenfreada e o descaso com a segurança dos empregados, intensificados com a privatização da empresa no governo FHC. Um custo alto demais a ser pago pela irresponsabilidade social da empresa.

À tarde serão elaboradas propostas, estratégias e plano de ações do comitê para 2019. O encontro prossegue até 17h.

Fonte: Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas, com edições da Contraf-CUT

COMENTÁRIOS

Enviar

ENVIAR COMENTÁRIO

Para enviar um comentário você deve se registrar. Para isso use sua conta do Facebook.

ENTRAR COM FACEBOOK

ou se preferir use seu email pessoal

Esqueceu sua senha?

Enviar