Emprego precário compromete economia e agrava concentração de renda

Clemente Ganz Lúcio diz que país precisa melhorar salários e distribuir renda para reagir ao aumento da pobreza no país, segundo estudo do Banco Mundial

Parcela de pessoas pobres que vinha caindo nas últimas décadas, mas, com a recessão, o número voltou a subir
São Paulo – “Temos uma longa tarefa na economia brasileira de conduzir o crescimento econômico, com melhor distribuição de renda e melhoria de salários”, diz o diretor técnico do Dieese, Clemente Ganz Lúcio, ao analisar estudo do Banco Mundial, que mostra 45,5 milhões de brasileiros vivendo abaixo da linha da pobreza.

A parcela de pessoas pobres vinha caindo nas últimas décadas, mas com a recessão o número voltou a subir em 2015. Quase 22% vivem com uma média de R$ 500 ao mês. “Sob a linha de US$ 1,90 por dia a fatia da pobreza correspondia a 3,7% em 2014 e subiu para 4,3% no ano seguinte. Quando a régua sobe para US$ 5,50 diários, a parcela de brasileiros abaixo da linha vai a 20,4% em 2014, crescendo para 22,1% em 2015”, diz o estudo.

Clemente contesta afirmação do presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Ives Gandra da Silva Martins Filho, que em entrevista à Folha de S.Paulo, defende flexibilização de direitos sociais a pretexto de se criarem empregos. Para o diretor do Dieese, o argumento de Gandra é um dos motivos para a elevação da pobreza no Brasil.

“Ao reduzir direitos, você precariza o trabalho, reduz salário e as empresas contratam mais, porém trabalhadores precarizados. Empregos precários não dão dinâmica à econômica”, afirma o especialista.

COMENTÁRIOS

Enviar

ENVIAR COMENTÁRIO

Para enviar um comentário você deve se registrar. Para isso use sua conta do Facebook.

ENTRAR COM FACEBOOK

ou se preferir use seu email pessoal

Esqueceu sua senha?

Enviar