O Direito de Greve e as ameaças aos trabalhadores

Não há novidade que nos momentos de grande mobilização e forte adesão dos trabalhadores às paralisações gerais, surjam pressões e ameaças por parte dos patrões, principalmente em relação aos dias parados.
Nas paralisações ocorridas em abril e junho de 2017 contra a terceirização e a reforma trabalhista aprovada pelo Governo Temer, o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal promoveram o desconto dos dias parados e diversos reflexos no histórico funcional dos funcionários.
Segundo o entendimento de diversos Juristas e membros dos Tribunais Regionais do Trabalho não se pode examinar a legitimidade de uma greve apenas diante da relação empregado-empregador, sem analisar o contexto social e a conjuntura política e econômica do período, reafirmando fazer parte da democracia a luta permanente contra o retrocesso social e a extinção de direitos.
Em relação aos episódios de 2017, conforme noticiado pelo Sindicato, as ações jurídicas promovidas pela entidade encontram-se em fase de julgamento, resultando até o momento na determinação para que a CEF retirasse as observações negativas do histórico dos empregados e seus reflexos, aguardando ainda decisão definitiva quanto a devolução dos descontos praticados pelos bancos.
A Secretaria Jurídica do Sindicato informa que adotou todas as providências para garantir o direito de greve dos bancários e bancárias de Florianópolis e Região, de acordo com a decisão da categoria em assembleia ocorrida no último dia 06 de junho, publicando o aviso de greve e comunicando aos bancos da decisão da paralisação por tempo determinado, lembrando ainda de que é proibida por lei federal qualquer tentativa de abertura de agências sem a presença de vigilantes.
Caso sofra qualquer tipo de pressão ou ameaça para não aderir à greve geral, o bancário deve denunciar ao Sindicato.

COMENTÁRIOS

Enviar

ENVIAR COMENTÁRIO

Para enviar um comentário você deve se registrar. Para isso use sua conta do Facebook.

ENTRAR COM FACEBOOK

ou se preferir use seu email pessoal

Esqueceu sua senha?

Enviar

  • O POVO PRECISA CONHECER O SEU PODER!

    Se NOSSOS REPRESENTANTES não estiverem atuando em CONFORMIDADE com o Estado Democrático destinado a GARANTIR, pelo menos, os PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS de seus outorgantes, é imprescindível exercermos NOSSO PODER!

    O nível $N tem sido aplicado ao conteúdo de NOSSOS DIREITOS !

    “Os representantes do povo brasileiro, reunidos em Assembléia Nacional Constituinte para instituir um Estado Democrático, destinado a assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça como valores supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia social e comprometida, na ordem interna e internacional, com a solução pacífica das controvérsias, promulgamos, sob a proteção de Deus, a seguinte CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL.

    Art. 1º
    Parágrafo único. Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de REPRESENTANTES ELEITOS ou DIRETAMENTE , nos termos desta Constituição.

    Dalton Soffiatti