(SP) Itaú é condenado por negar indenização prevista no CCT a gerente sequestrada

Em decisão unânime, a Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho (TST) condenou o Banco Itaú, por danos morais, a indenizar uma gerente de agência que foi já havia passado por dois assaltos em serviço, além de um sequestro.  Após a decisão, o banco tentou recurso, porém, negado pela corte.

Prevista pela CCT (Convenção Coletiva de Trabalho), a indenização representa a aposentadoria por invalidez decorrente de estresse pós-traumático para casos de morte ou incapacidade permanente de trabalho. Constatado pela avaliação da Previdência Social, que, ela não tinha condições psicológicas para voltar ao trabalho.

Em 2008, a mesma foi afastada por auxílio-doença acidentário, por conta dos transtornos psicológicos sofridos após um dos assaltos. Dois anos depois, ela teve concedida aposentada por invalidez.

O banco que já havia recusado pagar a indenização alegando que, como era uma doença psíquica, haveria a necessidade de curatela, exigência prevista na apólice de seguro de vida em grupo. Também tentou um recurso, alegando que a bancária não estaria incapacitada para o trabalho, como a CCT exige para o deferimento da indenização.

Fonte: Seeb/SP

COMENTÁRIOS

Enviar

ENVIAR COMENTÁRIO

Para enviar um comentário você deve se registrar. Para isso use sua conta do Facebook.

ENTRAR COM FACEBOOK

ou se preferir use seu email pessoal

Esqueceu sua senha?

Enviar