Mesa Temática de Saúde garante adiantamento emergencial

Trabalhadores questionaram MP 881, que, se aprovada, permitirá trabalhos aos sábados, domingos e feriados

O Comando Nacional dos Bancários e representantes do Coletivo de Saúde do Trabalhador da Contraf-CUT se reuniram, nesta quinta-feira (11), com a Federação Nacional dos Bancos para dar continuidade ao debate sobre adiantamento salarial nos casos de afastamento, indicação de locais para realização de perícia médica, entre outros temas relacionados à saúde do trabalhador.

Na ocasião, os trabalhadores também reivindicaram o abono das faltas no dia da Greve Geral de 14 de junho e o compromisso dos bancos com a categoria bancária em relação ao cumprimento da Convenção Coletiva. A presidenta do Sindicato dos Bancários do Rio de Janeiro e membro do Comando Nacional dos Bancários, Adriana Nalesso, afirmou que a aprovação do relatório da MP 881, nesta quinta-feira (11), precariza ainda mais as relações de trabalho e impacta  a saúde e a vida dos trabalhadores. “Impacta a saúde do trabalhador no que diz respeito a jornada de trabalho e desobriga as empresas a constituirem CIPA, que é muito importante na prevenção de acidentes de trabalho”.

Adriana reivindicou ainda o compromisso dos bancos com a categoria bancária. “Reivindicamos o respeito a nossa Convenção Coletiva, que é válida até 31 de agosto de 2020”, disse.

A Fenaban não se posicionou em relação ao relatório.

Greve Geral: Abono de faltas

Os representantes dos trabalhadores reivindicaram o abono das faltas dos bancários que participaram da Greve Geral de 14 de junho. Adriana Nalesso lembrou que é livre as organizações dos trabalhadores e que os sindicatos fizeram assembleias e cumpriram todos os requisitos legais para a mobilização. “Por se tratar de uma mobilização legítima e que tem como pauta a reforma da Previdência, que interfere nos direitos dos trabalhadores, cobramos o abono das faltas”, afirmou.

A Comissão da Fenaban  ficou de consultar  os bancos sobre o assunto, mas não criou expectativas positivas.

Licença-maternidade para casais homoafetivos

A licença–maternidade para casais homoafetivos femininos também foi debatida. Os representantes dos trabalhadores receberam denúncias de que alguns bancos têm descaracterizado a licença para casais de mulheres e concedido a licença-paternidade para estes casos. O debate terá continuidade na mesa de igualdade de oportunidades.

Adiantamento salarial em casos de afastamento

Em caso de negativa do benefício, os bancos se comprometeram a garantir adiantamento emergencial, mediante a comprovação do recurso a junta do INSS, sendo considerado inapto. Também houve o compromisso de garantir o parcelamento do adiantamento emergencial, em caso de solicitação pelo bancário, correspondente a 30% do valor mensalmente, até o pagamento integral do adiantamento.

Sobre os outros assuntos pendentes, os bancos ficaram de dar retorno na próxima reunião.

Foi iniciado o debate sobre políticas de prevenção e programas de controle médico. O movimento sindical ficou de apresentar um documento sobre os assuntos a serem debatidos na próxima mesa, a ser marcada. Dentre as prioridades estão a questão do direito a informação sobre adoecimentos, programas de controle médico, entre outros. Para o secretário da Saúde do Trabalhador da Contraf-CUT, Mauro Salles, é preciso que a participação dos trabalhadores seja . “Não é possível uma real prevenção sem que os bancários sejam ouvidos. Também reivindicamos que as CIPA’s sejam valorizadas e que todas sejam eleitas pelos trabalhadores.”

COMENTÁRIOS

Enviar

ENVIAR COMENTÁRIO

Para enviar um comentário você deve se registrar. Para isso use sua conta do Facebook.

ENTRAR COM FACEBOOK

ou se preferir use seu email pessoal

Esqueceu sua senha?

Enviar