Banco do Brasil

Retificação sobre tentativa do BB de esvaziar a governança da Cassi PDF Imprimir E-mail

30.01.2015 - (Atualizada dia 30/1, às 12h30) Os conselheiros deliberativos eleitos foram pressionados pelo Banco do Brasil na reunião de janeiro a impedir a convocação dos conselheiros suplentes nas reuniões ordinárias, em razão da contingência orçamentária. Para os eleitos, a medida não contribui para a busca de soluções porque esvazia a governança da entidade.

Diante dessa postura e com o propósito de viabilizar a participação de todas as representações do funcionalismo, em um momento crucial para a Cassi, os conselheiros eleitos decidiram abrir mão de parcela dos honorários e de custos com deslocamento com a finalidade de não onerar a Cassi com a participação dos suplentes.

A Contraf-CUT havia informado na quarta-feira 28 que, "após tomar conhecimento da decisão dos eleitos, os conselheiros deliberativos indicados pelo patrocinador decidiram também abdicar dos honorários a que teriam direito".

A Contraf-CUT recebeu esclarecimentos dos conselheiros indicados e eleitos na Cassi e retifica a informação relativa à abdicação de honorários por parte deles. E informa que todos os conselheiros haviam efetuado, concomitantemente, registros junto à Secretaria do Conselho renunciando à parte de seus direitos estatutários e regimentais.

Ao mesmo tempo, a Contraf-CUT ratifica que a iniciativa tomada pelos conselheiros eleitos são no sentido de garantir a presença de todos os segmentos de representação do funcionalismo que compõem a atual direção, evitando o esvaziamento da governança pretendido pelo banco, no processo de debates, neste momento especial que vive a Caixa de Assistência.

Conselheiros eleitos votam para fortalecer a governança e a Cassi

O Banco do Brasil precisa demonstrar maior interesse para encontrar as soluções necessárias para alcançar a sustentabilidade do Plano de Associados e consequentemente o fortalecimento da Cassi, entidade de saúde no modelo de autogestão compartilhada entre Corpo Social e BB.

Primeiro o BB, de forma unilateral, propõe aumento das contribuições em 50% para os funcionários da ativa e aposentados. O banco sabe que o estatuto da Cassi não permite alterações dessa natureza, a não ser que o Corpo Social aprove o aumento.

Propõe também um conjunto de medidas internas que aumentam as coparticipações, reduzem abonos de medicamentos e pretende criar franquia sob internação de R$ 1.500, o que prejudicaria os participantes que têm remuneração menor e também aqueles que estão adoecidos e necessitam mais da Cassi, quebrando um dos princípios basilares da entidade - a solidariedade. Os dirigentes e conselheiros eleitos votaram contra essas propostas que prejudicam os bancários e seus familiares.

Essas propostas do Banco do Brasil faziam parte da peça orçamentária da Cassi para o exercício de 2015, apresentada em dezembro pelos indicados do banco na gestão da entidade. Como não houve acordo com os eleitos, a Caixa de Assistência iniciou o ano com orçamento contingenciado.

Durante o mês de janeiro, o BB e seus indicados foram responsáveis pela descontinuidade de um importante programa de cuidados a doentes crônicos, o PAC, que afetou mais de 10 mil participantes. O programa já havia sido aprovado em outubro com o voto dos indicados para vigorar até abril de 2015.

Toda a discussão das divergências de propostas para a gestão da Cassi entre os representantes eleitos pelo Corpo Social e o banco e seus indicados foram levadas para as entidades sindicais pela Comissão de Empresa da Contraf-CUT no mês de dezembro. Também está sendo levada ao conhecimento das entidades associativas, como ocorreu no último dia 22 na sede da Anabb. 

Unidade e mobilização

Os eleitos estão propondo unidade e mobilização do funcionalismo para que o banco abra negociações para resolver a questão do aporte necessário neste momento, até que a Cassi aprofunde o modelo de Atenção Integral à Saúde, que estende para o conjunto dos associados as equipes de família, com a promoção de saúde e prevenção de doenças ao longo da vida do bancário e seus familiares. 



Fonte: Contraf-CUT
  Section:  Notícias - File Under:  Banco do Brasil  |  
 
Vale transporte no BB PDF Imprimir E-mail

22.01.2015 - O Banco do Brasil divulgou esta semana que implantaria no SISBB, conforme acordado na Convenção Coletiva 2014/2015, a opção para que o funcionário receba o Vale Transporte em dinheiro. A decepção da maioria dos bancários que utilizam o Benefício do Vale Transporte foi quando o Banco, unilateralmente e, em mais um ato de distorção do acordo,promoveu a implantação da obrigatoriedade de adesão ao sistema de crédito em conta e eliminando o sistema de aquisição por parte do banco dos Vale Transportes. Até a alteração, os vales eram adquiridos pelo PSO jurisdicionante e creditados diretamente no cartão VT do funcionário, agora os funcionários terão de ir por conta própria até os locais de carga e efetuar o crédito. Além disso, os funcionários, como pessoa física, não podem efetuar créditos no cartão VT e terão que adquirir outro tipo de cartão.


  Section:  Notícias - File Under:  Banco do Brasil  |  
 
Pausa de descanso prejudica bancárias do BB PDF Imprimir E-mail

22.01.2015 - O Banco do Brasil, em atendimento a determinação do STF , incluiu 15 minutos de descanso no início da jornada de hora extraordinária (inclusive para detentoras de habitualidade). Isso significa que o sistema contará como hora extraordinária, apenas o período que exceder 15 minutos. Diversas bancárias já reclamaram da inclusão de 15 minutos em sua jornada e buscaram informações junto ao SEEB Florianópolis. Esclarecemos que os 15 minutos de descanso obrigatórios antes da prorrogação do horário normal é uma determinação prevista no artigo 384 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Ao julgar ação de uma rede de supermercados de Santa Catarina, o STF decidiu em caráter de repercussão geral – ou seja, o entendimento deve ser adotado em todas as instâncias da Justiça. Considerando que, na rotina bancária, é difícil efetuar tal pausa, até porque a bancária não irá abandonar o seu cliente na mesa ou no guichê de caixa para efetuar o descanso, tal alteração apenas subtrairá 15 minutos da remuneração das bancárias. Destacamos que a Comissão de Empresa já solicitou reunião com o Banco para debater sobre o assunto.

  Section:  Notícias - File Under:  Banco do Brasil  |  
 
Após mesa temática, Banco do Brasil restringirá acesso ao PIN PDF Imprimir E-mail

06.01.15 - Após mesa temática, Banco do Brasil restringirá acesso ao PINAtendendo a reivindicação dos funcionários, durante a Mesa Temática sobre a Forma de Cobrança de Metas, o Banco do Brasil informou à Contraf-CUT que o aplicativo Painel de Informações Negociais (PIN) terá o seu acesso limitado aos administradores. A mudança já foi encaminhada à Diretoria de Tecnologia para os ajustes necessários no sistema.

Esta era uma das demandas dos funcionários da área negocial levadas pela Contraf-CUT, federações e sindicatos à Mesa Temática, uma vez que o PIN estava sendo usado indevidamente como critério de seleção e, ainda, sendo liberado o seu acesso a qualquer funcionário, também caracterizava uma forma de ranqueamento.

No dia 4 de dezembro do ano passado, a Contraf-CUT, assessorada pela Comissão de Empresa dos Funcionários do BB, se reuniu com o BB para debater formas de cobrança de metas e a forma de coibir os abusos praticados nos locais de trabalho.

Para Wagner Nascimento, coordenador da Comissão de Empresa, a mudança nesse aplicativo era necessária e foi importante para consolidar a importância dessa mesa temática sobre a forma de cobrança de metas. "É fundamental a continuidade dos debates com funcionários da área negocial nos locais de trabalho, a fim de aprimorar os sistemas e melhorar as condições de trabalho nas unidades de negócio do banco", destacou. 


Fonte: Contraf-CUT
 
  Section:  Notícias - File Under:  Banco do Brasil  |  
 
«InícioAnterior12345678910PróximoFim»

Página 1 de 89
Retificação sobre tentativa do BB de esvaziar a governança da Cassi

30.01.2015 - (Atualizada dia 30/1, às 12h30) Os...

Empregados da Caixa criticam propostas para promoção por mérito

30.01.2015 - O primeiro debate sobre a promoção por mérito na Caixa Econômica Federal foi considerado insatisfatório...

Lucro do Bradesco sobe 25,6% e chega a R$ 15 bilhões em 2014

29.01.2015 - O Bradesco, segundo maior banco privado do país, estreando a temporada de balanços das instituições fina...

SEEB - Sindicato dos Bancários de Florianópolis e Região
Rua Visconde de Ouro Preto, 308 - Florianópolis - SC
Fone (48)
3224-7113 - FAX (48) 3223-3103